Proibição da exportação de carne suína alemã pode durar pelo menos um ano

A carne suína alemã pode permanecer excluída de alguns dos principais mercados do mundo por pelo menos um ano, enquanto o país trabalha para conter o surto de um vírus mortal do porco, de acordo com o maior produtor de carne da Europa.

A China e outros importantes compradores asiáticos proibiram o fornecimento da Alemanha – um dos principais exportadores da União Europeia – após um surto de peste suína africana em javalis em setembro. Esses mercados costumam manter restrições até que os produtores afetados estejam livres de novos casos por 12 meses, o que significa que pode levar um ano ou mais antes que o acesso seja retomado, disse Jais Valeur, diretor executivo do Danish Crown Group, que opera um dos maiores matadouros da Alemanha.

O surto alemão foi contido em dois estados do leste e nenhuma fazenda de gado foi afetada. Em meados de novembro, cerca de 150 javalis infectados foram detectados em Brandenburg, de acordo com o ministério da saúde do governo. Embora o país ainda possa negociar dentro da UE, as restrições pesaram sobre os preços dos suínos em todo o continente.

A demanda chinesa por carne suína tem aumentado devido aos seus próprios surtos de FAS, que dizimou os rebanhos no ano passado. As fazendas de gado do país estão agora se reconstruindo. A Dinamarca, onde a Danish Crown está sediada, embarca cerca de um terço de sua produção para a China, enquanto os Estados Unidos e o Brasil absorveram grande parte da perda de participação de mercado da Alemanha, disse Valeur em entrevista por telefone.

As fortes exportações para a Ásia ajudaram a impulsionar os lucros da Coroa Dinamarquesa durante o ano financeiro de 2019-20, disse a empresa na quinta-feira. A empresa possui operações de suínos em cinco países europeus, além da China.

Fonte: Bloomberg

Relacionados

Deixe um Comentário